VOCÊ PODE VIR A GOSTAR DE LER TAMBÉM:

sábado, 5 de junho de 2010

OLHA O SACO DE BOLACHA QUEM VAI QUERER?





EM PORTO PRÍNCIPE

O terremoto do dia 12 derrubou grande parte das casas e barracos de Cité Soleil, parte mais pobre de Porto Príncipe, mas fez poucas vítimas, pois a maioria das habitações é feita de paredes finas de zinco e madeira. O desabastecimento de comida e de água assusta os moradores ainda mais que os tremores de terra.

Carole Gedeon, 40, não faz uma refeição desde o dia do terremoto, embora seu barraco -que não caiu com o tremor – esteja repleto de sacolas e bacias cheias de bolachas da mesma cor da terra clara que cobre a maior parte das ruas do bairro. Seus sete filhos brincam ao redor dela modelando uma massa pastosa da mesma cor.

O problema é que as bolachas de Carole realmente são feitas de barro e são compradas e comidas pelos haitianos mais pobres.

Na verdade, diz ela, são mistura de argila, manteiga e água (não muito limpa). A argila é colocada em grandes bacias e amassada pelas crianças e pela mãe.

A massa é então peneirada por Carole e modelada em forma de bolachas, colocadas em seguida para secar à luz do sol. “Eu as vendo em um mercado em Croix de Bouquet, cada uma custa cinco gourdes (cerca de R$ 0,23). Desde o terremoto só comi essas bolachas que eu faço.”

As bolachas de barro não são fruto do terremoto. Já eram produzidas e consumidas por haitianos que não possuem recursos para comprar comida. O sabor é de terra, ligeiramente açucarada. A produtora não sabe ao certo de onde elas surgiram.

“Eu faço isso desde pequena. Aprendi a fazer vendo outras pessoas fazerem. O problema aqui em Cité Soleil não é mais a violência, é a fome.” (LK)


FONTE : FOLHA

2 comentários:

  1. Não conhecia esse seu blog. Uma triste realidade!

    O que significa OMNIA VINCIT?

    BeijooO'

    ResponderExcluir